quarta-feira, 21 de março de 2007

Cabeça baixa

Mais um passo
Mais um quarteirão
Mais uma faixa de pedestres


Mas outro sonho não vem


Mais uma faixa de pedestres
Mais um quarteirão
Mais um passo


Sento-me


A vida passa em minha frente
Mais pessoas envelhecem
Inclusive eu


Permaneço assim sentado
Calado
Observador
Até que eu levante novamente


Levanto


Mais uma faixa de pedestres







4 comentários:

Shar* disse...

eu sei, mas esse me tirou a fome do almoço, felizmente já passou...

raukai disse...

um poema com um ritmo bem interessante, interrompido e incessante. engraçado encontrar isso aqui, quando eu mesmo tô numa fase bem urbana, de mecher com esses símbolos do cotidiano da vida na cidade, refletir sobre eles e etc. gostei aqui. mas só uma curiosidade: como achastes o meu blog?

Papillon disse...

Não costumo comentar sobre o texto ou poema em si, como a maioria dos meus amigos, mas como um ser. Entretanto o movimento do seu me chamou a atenção.
Nem adianta pra onde queiramos olhar, é um contínuo, um contínuo que não podemos acompanhar com os olhos. Acho sem noção qnd outras pessoas tentam entender o q foi escrito. Como achou meu blog? ^^

Manoel disse...

C acredita que só hj reparei q vc tem um blog?
Putz!
Desatenção corrigida e, como desculpa, vou te adicionar na lista do meu.
Abração mah.